Facebook Youtube Twitter Google + Vimeo Instagram

Serviços OnlineBalcão do InvestidorContratos PúblicosPDM UrbanismoTransparênciaEditaisReabilitação Urbana

A Iniciativa

O Funchal vai ser a primeira cidade da Região a ter uma Estratégia Municipal para fazer face às alterações climáticas e a apresentação pública decorre esta tarde, nos Paços do Concelho. Este é o resultado da adesão, no ano passado, ao projeto “ClimAdaPT.Local”, que reúne 26 municípios portugueses, numa iniciativa pioneira da Agência Portuguesa do Ambiente, tutelada pelo Ministério do Ambiente.

O Presidente Paulo Cafôfo assinou em Coimbra a Carta de Compromisso do projeto a nível nacional e encabeça hoje a apresentação do conjunto de ações e a sua potencial implementação e acompanhamento, de acordo com a avaliação de vulnerabilidades e riscos climáticos e com a avaliação de opções de adaptação realizada pela equipa municipal ao longo do último ano, e que coloca a capital da Região na vanguarda deste trabalho a nível nacional. No futuro, aliás, o Ministério do Ambiente pretende alargar a implementação destas Estratégias aos demais municípios portugueses, a partir dos resultados dos municípios-piloto, o que, no entender da Autarquia, reforça a responsabilidade do Funchal neste processo, evidenciando, naturalmente, o compromisso com este desafio desde a primeira hora.

Monitorização, Reabilitação e Otimização passam a ser práticas centrais

O extenso trabalho desenvolvido pelo Departamento de Ciência da Câmara Municipal do Funchal ao longo do último ano, com os contributos dos mais diversos sectores da sociedade civil, como se verificou, por exemplo, numa das conferências nacionais “ClimAdaPT.Local”, que decorreu em janeiro, nos Paços do Concelho, com casa cheia, resultou nas traves-mestras daquelas que vão ser as opções de adaptação ao Funchal, num calendário a quatro anos, que virá investir na monitorização de fenómenos extremos, de vetores de transmissão de doenças emergentes e taludes, na reabilitação de ecossistemas, construção de infraestruturas de proteção contra cheias, proibição de construção em zonas críticas e reestruturação de redes de drenagem e, por fim, na otimização de recursos e estratégias, nomeadamente no que respeita a um novo Plano de Mobilidade, ao uso mais eficiente da água e ao fomento de um Turismo de Qualidade e com vocação ecológica.