Facebook Youtube Twitter Google + Vimeo Instagram

Serviços OnlineBalcão do InvestidorContratos PúblicosPDM UrbanismoTransparênciaEditaisReabilitação Urbana

Sobre o Museu

Localizado no Palácio de São Pedro, uma das mais significativas obras da arquitetura civil portuguesa, de meados do séc. XVIII, o Museu de História Natural do Funchal foi inaugurado oficialmente a 05 de Outubro de 1933.

Até então, o Palácio de São Pedro desempenhou inúmeras funções ao longo da sua existência. Inicialmente foi residência dos Condes de Carvalhal; em 1882 e sob a direção de D. Carolina Sheffield funcionou o Hotel Sheffield; em 1883, a irmã Mary Jane Wilson (fundadora da Congregação Franciscana de Nossa Senhora das Vitórias) estabeleceu ali a sede do Colégio de São Jorge e, em 1897, funcionou no mesmo espaço o Clube Internacional. Após a sua compra pela Câmara Municipal do Funchal, em 19-09-1929, passaram a funcionar no Palácio de São Pedro as seguintes instituições: a Biblioteca Municipal do Funchal, o Museu Regional da Madeira e o Arquivo Regional da Madeira. Na atualidade apenas funciona neste edifício o Museu de História Natural do Funchal, a sua Biblioteca Científica e o Aquário Municipal. O Jardim de Plantas Aromáticas e Medicinais também faz parte integrante deste edifício.

O primeiro Diretor do Museu foi o Sr. Adolfo César de Noronha, um naturalista madeirense que se dedicou ao estudo da Ictiologia, da Ornitologia, da Malacologia e da Carcinologia do arquipélago.

Como Museu Regional da Madeira, este abarcava para além da História Natural, a Etnografia, a Arqueologia, a Arte, etc. Contudo, e ao longo dos anos, o Museu foi-se especializando cada vez mais na História Natural, quer a nível das exposições patentes e coleções quer a nível da investigação desenvolvida, sendo neste momento o seu âmbito exclusivo.

Com a inestimável ação do Doutor Günther Maul, eminente taxidermista e cientista de origem alemã, que desempenhou a função de Diretor deste Museu entre 1943-1981, o Museu passou a dispor de uma coleção cada vez maior de animais montados e outros espécimes biológicos e geológicos distribuídos ao longo de 6 salas. Atualmente, encontram-se expostas 78 espécies de peixes, 247 de aves, 14 mamíferos terrestres e marinhos, 3 répteis marinhos, 152 de insetos e outros invertebrados, 19 espécies de plantas e uma representativa coleção de rochas e minerais do arquipélago, assim como de fósseis marinhos do Porto Santo.

As coleções de estudo do Museu atingem atualmente mais de 41.166 exemplares. Tendo por princípio o conhecimento da fauna, flora e geologia do arquipélago madeirense, o Museu, desde a sua criação evidenciou uma vertente regionalista, só apresentando espécies capturadas no arquipélago. Desenvolve ações de colheita de espécies do património natural madeirense e projetos de informação científica nos grupos zoológicos, botânicos e geológicos de modo a garantir um melhor conhecimento do património natural madeirense, assim como a sua divulgação. Realiza ainda ações de Educação Ambiental.

Desde sempre tem privilegiado uma vertente de investigação científica, publicando, desde 1945 o Boletim do Museu Municipal do Funchal, poderoso instrumento de divulgação científica da História Natural da Madeira, no Mundo, mas também dos restantes arquipélagos da Macaronésia (Açores, Canárias e Cabo Verde). Desde 1990 foi acrescentado de um Suplemento, com periodicidade irregular, destinado à publicação de grandes monografias ou atas de congressos e simpósios. Desde 1959 o Museu publica de uma forma não periódica a revista Bocagiana, onde são descritas novas espécies para a ciência ou novos assinalamentos. A permuta com outras organizações permitiu a constituição de uma importante Biblioteca especializada.

A existência do Aquário Municipal, localizado no rés-do-chão do Palácio de São Pedro, deve-se em grande parte ao Sr. Charles L. Rolland, industrial de bordados na Madeira que, em 1951, ofereceu à Câmara Municipal do Funchal 30 mil escudos e material para que a sua construção se concretizasse. Sob a orientação, técnica e científica do Doutor Günther Maul, conservador do Museu, inaugurou-se, em Dezembro de 1953, um Aquário com 15 tanques de exposição nos quais se encontram representados os mais importantes elementos da fauna marinha costeira da Madeira.

Ao longo dos 560 m2 do Jardim de Plantas Aromáticas e Medicinais, cuja inauguração teve lugar no dia 5 de Junho de 2000, o visitante poderá observar algumas dezenas de plantas medicinais e aromáticas. No entanto, também podem ser vistas plantas indígenas e endémicas do arquipélago (como a múchia-dourada, o funcho, o til, o vinhático, o sabugueiro-da-Madeira, a leituga).

O Museu de História Natural do Funchal está integrado no Departamento de Ciência da Câmara Municipal do Funchal, entidade que tutela e financia o Museu.