Facebook Youtube Twitter Google + Vimeo Instagram      Município do Funchal

quinta, 07 janeiro 2021 13:12

CMF lança projeto inédito de compostagem comunitária

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, e a  Vice-Presidente Idalina Perestrelo, assinalaram, no recém-inaugurado Conjunto Habitacional da Quinta Falcão, o início do projeto municipal de compostagem comunitária, que tem por objetivo promover a valorização dos resíduos orgânicos junto dos conjuntos habitacionais. O primeiro compostor, instalado na Quinta Falcão fica num espaço comum e de fácil acesso aos moradores, sendo que irá servir cerca de 30 famílias.

Miguel Silva Gouveia referiu que “com este projeto, procuramos dar seguimento à excelente recetividade da população funchalense à iniciativa de compostagem doméstica que a CMF criou em 2019, e que prosseguimos este ano, através da qual entregamos gratuitamente à população compostores para que as famílias funchalenses com jardim possam realizar a compostagem nas suas moradias. Com este novo projeto, adaptamos agora com novas soluções este projeto às comunidades que vivem nos conjuntos habitacionais.”

A iniciativa tem como objetivo promover a valorização de resíduos orgânicos, uma vez que estes estão presentes em cerca de 40% dos resíduos indiferenciados. “Com este modelo de compostagem comunitária, que surge como uma solução para os bioresíduos no local de produção, estamos também a promover uma redução de custos de gestão de resíduos, nomeadamente de recolha, de transporte e de tratamento”, acrescentou o autarca.

“Este equipamento fica num espaço de fácil acesso aos moradores e contempla uma partilha de meios, ou seja, todos podem colocar os seus resíduos orgânicos no compostor e, posteriormente, qualquer um pode utilizar o composto resultante nos seus jardins ou hortas. Entregamos a cada família um balde de 5 litros para o armazenamento dos resíduos orgânicos no seu apartamento, a chave de acesso ao compostor, e também um panfleto informativo sobre a compostagem, de forma a esclarecer quais os resíduos que podem ser reaproveitados e aqueles que não.”

O Presidente concluiu que “com esta nova aposta do Funchal na compostagem comunitária, tomamos mais um medida importante no sentido de continuar a reduzir a produção de resíduos sólidos urbanos no concelho, adotando boas práticas que já estão em vigor em inúmeras as cidades um pouco por todo o mundo, pois trata-se de uma estratégia de prevenção e valorização de resíduos com grande valia, tanto do ponto vista ambiental, como económico.”