Facebook Youtube Twitter Google + Vimeo Instagram

segunda, 12 março 2018 17:24

Funchal com recorde de participação na Semana da Árvore 2018

A Câmara Municipal do Funchal iniciou hoje um programa de atividades dirigido ao público escolar no Parque Ecológico do Funchal, que vai durar até dia 21 de março, com o objetivo de assinalar o Dia Mundial da Árvore e da Floresta, dando continuidade à sensibilização para a importância da floresta na sustentabilidade do ambiente terrestre. A Vereadora Idalina Perestrelo esteve presente na abertura desta Semana da Árvore 2018, com uma turma de 3º ano da EB1/PE do Garachico. O programa terá este ano 15 iniciativas originais e já bateu o recorde de participação, passando pela primeira vez a fasquia dos 1000 participantes.

A autarca, que tem o pelouro do Ambiente na CMF, sublinha que, ao longo dos últimos anos, "o atual Executivo tem vindo a apostar num reforço da Educação Científica e Ambiental, com um grande empenho na realização de novas atividades, dirigidas aos diferentes públicos. Neste caso, teremos uma notável resposta do público escolar, com 32 instituições participantes e um total de 1040 alunos, o que são recordes absolutos.” Refira-se que, em 2012, quando foi criada a Semana da Árvore do Funchal, eram 10 instituições e 327 alunos. No ano passado, foram 17 instituições e 507 alunos.

São muitas as atividades que terão lugar no Parque Ecológico do Funchal durante esta semana: circuito de germinação, caminho dos “pés descalços”, circuito ambiental, caça ao tesouro, jogo da memória, erosão dos solos, jogo de orientação, quizz/puzzle, construção de casotas/comedouros para aves, representação do perfil do solo, fazer pão em forno a lenha, atividade personalizada com cada escola pré-visita e durante a visita, e maratona fotográfica, sendo esta última aberta ao público em geral.

Idalina Perestrelo recordou, na ocasião, o Plano de Gestão Florestal (PGF) do Parque Ecológico do Funchal, que a Autarquia apresentou no ano passado, um documento orientador e absolutamente estruturante para o futuro do Parque, que assume uma duração prevista até 2040. Este definiu um vasto leque de orientações estratégicas, sublinhando-se o enorme potencial turístico do Parque, a utilização multifuncional da sua área florestal e o repovoamento com espécies autóctones das áreas ardidas e das áreas com plantas invasoras. “Está em causa um plano a 20 anos, com a definição de todas as ações necessárias de manutenção e de exploração dos recursos florestais existentes. É o melhor exemplo do trabalho de fundo e de futuro que a Autarquia tem desenvolvido com o Parque Ecológico.”

A Vereadora destacou, por fim, duas outras intervenções que já estão no terreno, no âmbito de candidaturas bem-sucedidas ao PRODERAM 2020, que asseguraram comparticipações comunitárias, no rescaldo dos incêndios que afetaram o concelho em 2016: “temos, por um lado, uma reflorestação em larga escala, que vai abranger mais de 400 hectares do Parque, no valor de 1,4 milhões de euros; complementarmente, teremos a recuperação de 12,8km de trilhos do Parque, um investimento, neste caso, de 361 mil euros. Como se comprova, estamos no terreno em todas as frentes, quer com um reforço da aposta em termos de sensibilização, quer com uma intervenção duradoura, responsável e bem planeada, que vai contribuir para o futuro que todos os funchalenses querem para o nosso Parque Ecológico.”